Gramínea Miscanthus pode substituir o milho e o switchgrass na produção de etanol


Esta conclusão, de pesquisadores da Universidade de Illinois coordenados por Stephen P. Long (foto), foi publicada na revista Global Change Biology. . Miscanthus é uma gramínea perene, de clima temperado, com rápido crescimento e potencial para produzir sacarose, em moldes muito similares aos da cana.

Usando o milho ou switchgrass, para produzir etanol suficiente para atender a meta de mistura de 20% de etanol na gasolina, seria necessário o uso de 25 por cento da atual área agricultável dos EUA. A mesma quantidade de etanol, a partir da Miscanthus, exigiria apenas 9,3 por cento da área agrícola atual.

“O que temos encontrado com Miscanthus é que a quantidade de biomassa produzida anualmente nos permite produzir cerca 2 1/2 vezes a quantidade de etanol que podemos produzir na mesma área com milho milho”, diz o professor de ciências cultura Stephen P. Long, que liderou o estudo.

Long é o director-adjunto da BP-patrocinado Energia Biosciences Institute, um multi-ano, multi-institucional iniciativa que visa encontrar com baixa produção de carbono ou de carbono neutro alternativas ao petróleo à base de combustíveis. Longa é uma afiliada da U. de I. ‘s Instituto de Biologia genômica. Ele também é o editor da Global Change Biology.


Área experimental da Univesidade de Illinois, com milho, switchgrass e Miscanthus

No campo experimental em Illinois, os pesquisadores cultivaram Miscanthus x giganteus e switchgrass em terrenos adjacentes. Miscanthus revelou-se, pelo menos, duas vezes mais produtivo que switchgrass.

“Uma das razões para a Miscanthus produzir maior biomassa que o milho é que ela produz folhas verdes seis semanas antes da época de cultivo,” disse Long.

Experiências de campo também confirmaram que a Miscanthus é tolerante a solos de má qualidade, sem maiores exigências de adubação quimica. Ao mesmo tempo, a Miscanthus, porque é uma erva perene, acumula muito mais carbono no solo do que culturas anuais como milho ou soja.

Para fins experimentais, os pesquisadores utlizaram um híbrido estéril, propagado por plantio de caules subterrâneos, chamados rizomas. Uma vez estabelecida, a Miscanthus retorna anualmente, sem necessidade de replantio. Os pesquisadores optaram pelo híbrido estéril para evitar que se tornasse uma espécie invasora.

A partir de agora ela poderá ser utilizada em larga escala como cultura para biocombustíveis.

[EcoDebate, 05/08/2008]

One Response to Gramínea Miscanthus pode substituir o milho e o switchgrass na produção de etanol

  1. Daniel R. C. Feitosa disse:

    Olá senhor Henrique…
    Sou estudante de Pós-graduação em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal do Ceará e pretendo trabalhar com energias renováveis. Por esse motivo surgiu uma curiosidade em saber qual seria a produtividade média da cultura Miscanthus, sitada em artigo pelo senhor.
    Desde já, muito prazer e obrigado.

    Resposta de Henrique Cortez:

    Caro Daniel,

    A produtividade do Miscanthus, na atual tecnologia de etanol celulósico, é de 8 mil litros por hectare. Um pouco menor do que o etanol de cana, mas o dobro do etanol de milho.

    Esta gramínea perene está sendo, intensamente, pesquisada nos EUA, tendo em vista suas grandes vantagens comparativas em relação ao milho.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: