Mudanças climáticas podem aumentar as chuvas no oriente médio


A perspectiva de que as mudanças climáticas ameacem a produção de alimentos e aumentem a escassez de água no Médio Oriente é menos provável do que se pensava, de acordo com nova pesquisa, realizada por cientista australiano. Ele sugere que as chuvas serão significativamente mais elevadas nas principais partes da região. Os resultados serão publicados na revista Climatic Change. Por Henrique Cortez, do Ecodebate.

As recentes projeções, a partir do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), levantaram receios de que o índice pluviométrico, na região leste do Mediterrâneo, diminuisse neste século, se as atuais tendências de aquecimento global se mantivessem, reduzindo a precipitação, entre 15 e 25%, em grande parte do chamado Crescente Fértil.

O Crescente Fértil é uma região que engloba partes da Turquia, Síria, norte do Iraque e noroeste do Irã, com a importância estratégica das cabeceiras do rios Tigre e Eufrates.

Quando o pesquisador Dr. Jason Evans, do Centro de Pesquisas para as Alterações Climáticas, da University of New South Wales, analisou as projeções do IPPC, ele descobriu que a modelagem para a região agrícola do Crescente Fértil previa desafios importantes, como resultado do aquecimento global. Cerca de 170 mil quilômetros quadrados de terras agrícolas seriam perdidos; o aumento dos períodos secos limitaria as áreas de pastoreio; e as alterações na época das chuvas teriam impactos nas estratégias de produção dos agricultores, nas culturas e nas colheitas, em especial no norte do Irã.

Mas as projeções do IPCC foram baseadas em resultados de modelização das alterações climáticas globais, o que tende a obscurecer os efeitos regionais de menor escala.

“Os modelos globais são bons para investigar o que há de vir a acontecer em escala planetária, mas a resolução é bastante grosseira ao olhar para uma escala regional mais localizada,” diz o Dr. Evans. “É um pouco como uma ampliação fotografia digital até que ela se torne desfocada, pela expansão dos pixels ao ponto de “borrar” os detalhes da imagem”.

“Simular o clima da região é um desafio para os modelos climáticos, devido em parte a elevada variabilidade inter-anual natural, à topografia da região – que inclui várias cadeias de montanhas e mares interiores – e pela presença de uma ligeira tendência de arrefecimento nas últimas décadas, apesar da tendência ser compatível com o aquecimento global. “

Por isso, em um segundo estudo, muito mais detalhado, a ser publicado no Journal of Hydrometeorology, Evans utiliza modelagem climática regional, específica para o Médio Oriente e o resultado apurado foi muito diferente do previsto pelo IPCC.

Verificou-se que, embora a pluviosidade ao longo do leste do Mediterrâneo possua tendência de declínio, a umidade de suporte dos ventos, com mais umidade pela evaporação adicional causada pelo aquecimento, seria canalizada com mais freqüência e desviada pela Cordilheira de Zagros, trazendo um aumento de mais de 50% na precipitação anual para a bacia hidrográfica dos rios Tigre-Eufrates .

“Precisamos confirmar este resultado com outros modelos, mas, um aumento de 50 por cento nas chuvas em uma área agrícola tão importante, é um cenário muito mais esperançoso do que um declínio 15%”, disse Evans.


Climatic Change

Climatic Change is dedicated to the totality of the problem of climatic variability and change – its descriptions, causes, implications and interactions among these. The purpose of the journal is to provide a means of exchange between those working on problems related to climatic variations but in different disciplines. Interdisciplinary researchers or those in any discipline, be it meteorology, anthropology, agricultural science, astronomy, biology, chemistry, physics, geography, policy analysis, economics, engineering, geology, ecology, or history of climate, are invited to submit articles, provided the articles are of interdisciplinary interest. This means that authors have an opportunity to communicate the essence of their studies to people in other climate related disciplines and to interested laypersons, as well as to report on research in which the originality is in the combinations of (not necessarily original) work from several disciplines. The journal also includes vigorous editorial and book review sections.

Editor:
Stephen H. Schneider
Stanford University, California, USA

Assistant Editor:
Katarina Kivel
Department of Biological Sciences
Stanford University
371 Serra Mall
Stanford, CA 94305-5020
Tel.: (650) 725-6508
Fax.: (650) 725-4387
E-mail: kivel@stanford.edu

[EcoDebate, 16/08/2008]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: