Agrotóxicos matam abelhas e envenenam nossa alimentação


A segurança alimentar está ameaçada e a crise alimentar pode adquirir contornos ainda mais trágicos, se a maciça morte de colônias inteiras de abelhas continuar no ritmo atual. Sem este pequeno inseto polinizador os efeitos na produção agrícola podem ser devastadores.

Poucas pessoas sabem que as abelhas prestam serviços ambientais muito mais relevantes do que a mera produção de mel. As mais de 20 mil especies de abelhas polinizam a floração de, pelo menos, 90 culturas, tais como maçãs, nozes, abacates, soja, aspargos, brócolos, aipo, abóbora e pepino, laranjas, limões, pêssegos, kiwi, cerejas, morangos, melões, milho, etc. Por Henrique Cortez, do EcoDebate.

Especialistas afirmam que cerca de um terço da dieta humana provém de uma planta polinizada por um inseto e as as abelhas são responsáveis por 80 por cento da polinização.

O Departamento de Agricultura dos EUA (United States Department of Agriculture, USDA) estima que a polinização pelas abelhas é equivalente a US$ 15 bilhões em serviços de produtividade agrícola.

O governo do Reino Unido, por exemplo, reconhece que as colméias – principalmente de 44 mil apicultores amadores – contribuem com cerca de R$ 498 milhões ao ano para a economia, com a polinização de frutas, legumes e grãos.

Segundo a Embrapa, devido à redução das fontes de alimento e locais de nidificação, ocupação intensiva das terras e uso de defensivos agrícolas, as populações de abelhas silvestres têm sido reduzidas drasticamente, colocando em risco todo o bioma em que vivem. Nas regiões tropicais, as abelhas sociais (Meliponina, Bombina e Apina) estão entre os visitantes florais mais abundantes.

No Brasil, as abelhas sem ferrão (Meliponina) são responsáveis pela polinização de 40 a 90% das espécies arbóreas; dessa forma, a preservação das matas nativas é dependente da preservação dessas espécies.

Nem todos os cientistas prevêem uma crise alimentar, observando que a morte em larga escala de abelhas já aconteceu antes. Ainda assim, este parece ser um caso particularmente alarmante, tanto pelo alto índice de letalidade, como pelo alcance global, independente de latitude, longitude e clima.

Nos EUA, os apicultores estimam perdas de um quarto das suas colônias, devido ao que os cientistas têm definem como “desordem de colapso da colônia” (Colony Collapse Disorder, CCD).

“Esta crise ameaça destruir a produção de culturas dependentes das abelhas para a polinização,”, disse, recentemente, o secretário de agricultura dos EUA, Mike Johanns, dando o tom das crescentes preocupações diante da ameaça.

Desde 2006, quando foi identificada, a CCD já matou mais de 1/3 das abelhas nos EUA e o índice continua aumentando, passando para 36% no período de setembro/2007 a maio/2008, contra 31% no mesmo período no ano anterior.

Pesquisadores ainda não identificaram a causa exata da CCD, mas, muitos, acreditam que, pelo menos em parte, esteja associada a pesticidas. Pesquisa da universidade Penn State http://www.psu.edu/ documentou mais de 70 pesticidas no pólem e nas abelhas.

“Nós não sabemos se estes produtos químicos têm qualquer coisa relacionada com a desordem do colapso da colônia, mas são, definitivamente, fatores que impactam no repouso e nas fontes do alimento das abelhas, ” diz o cientista Dr. James Frazier, que coordenou a pesquisa da Penn State. “Os inseticidas sozinhos não provaram que são a causa do CCD. Nós acreditamos que é uma combinação de uma variedade de fatores, incluindo possivelmente ácaros, vírus e pesticidas.”

De acordo com o Agroinfo – O Forum do Agronegocio Brasileiro (no texto “A importância da polinização“) “Existem ainda culturas de grande valor econômico que, apesar de comprovadamente aumentarem seus níveis de produtividade quando adequadamente polinizadas, não têm se beneficiado dos serviços de polinização por desconhecimento dos produtores em geral. Muitos acreditam que a soja e o algodão, por exemplo, não precisam de polinização por insetos. Porém, estudos conduzidos no exterior, e os poucos realizados no Brasil, normalmente mostram aumentos de produtividades quando polinizadores bióticos visitam as flores: 31,7 a 58,6% no número de vagens, 40,13% no peso da vagem, 29,4 a 82,3% no número de sementes, 95,5% na viabilidade das sementes e 9 a 81% no peso das sementes. De forma semelhante, quando polinizado por abelhas, o algodão aumenta em 41% o número de casulos, produz 35-40% mais algodão por casulo, 26-43% mais pluma por área, 5-6% mais sementes por casulo e apresenta um aumento de 9-14% no peso por casulo.”

Independente da “desordem de colapso da colônia”, já se sabe que novos pesticidas estão dizimando populações inteiras de insetos polinizadores, especialmente as abelhas [Alemanha proíbe oito pesticidas neonicotinóides em razão da morte maciça de abelhas ; Alemanha: Pesticidas da Bayer são acusados da morte em massa de abelhas ; Agência de Proteção Ambiental dos EUA é acusada de ocultar informações da toxidade de pesticidas nas abelhas ; Agrotóxico que combate praga da laranja está dizimando abelhas no interior de São Paulo ].

A indústria de agrotóxicos, tradicionalmente “culpa” os agricultores pelo uso abusivo ou descuidado, na tentativa de eximir-se de qualquer responsabilidade, inclusive pela contaminação dos agricultores e trabalhadores agrícolas. Mas as evidências são cada vez mais fortes no sentido de comprovar o nexo causal entre os pesticidas e a morte de insetos polinizadores.

Na Alemanha já ocorrem casos de agricultores processando judicialmente outros agricultores, em razão da morte de abelhas pelos pesticidas usados e, por conseqüência, pelas perdas de produção/produtividade com a redução da polinização de frutas, legumes e grãos. Se o argumento da indústria for verdadeiro (a culpa é dos agricultores), então nada mais lógico do que processar o vizinho, pela aplicação abusiva e descuidada de pesticidas.

É uma esquizofrênica situação em que o agronegócio, em defesa de seus lucros crescentes, ataca a atividade e os lucros do próprio agronegócio. E, com isto, ameaça a própria produção de alimentos, potencializando os crescentes riscos de uma crise alimentar global.

O debate sobre a morte dos insetos polinizadores pelos pesticidas, também reabre o debate sobre a intensiva utilização de agrotóxicos, ameaçando e envenenando a nossa alimentação.

No caso brasileiro, a situação caminha para uma tragédia tóxica. Além da utilização dos agrotóxicos piratas importados ilegalmente, ainda, legalmente, importamos agrotóxicos proibidos nos próprios países onde são produzidos.

O veneno nosso de cada dia é um negócio bilionário. Não foi por outra razão que, por liminar judicial, a indústria conseguiu impedir a Anvisa de reavaliar 99 agrotóxicos .

A Anvisa tentou reavaliar os agrotóxicos depois da divulgação do resultado do monitoramento de agrotóxicos em alimentos, como conseqüência do Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos.

Esta utilização abusiva de agrotóxicos envenena o meio ambiente, contamina nossa comida, se fixa de forma persistente no solo, nos mananciais e nas águas subterrâneas, isto sem falar das ameaças à saúde dos trabalhadores na agricultura.

As iniciativas da França e da Alemanha de “endurecer” a regras com os agrotóxicos não visam apenas proteger os insetos polinizadores, mas impor limites que, ao final, serão importantes para proteger a saúde dos agricultores e de toda a população

Não é o caso do Brasil. Nas palavras de Roberto Malvezzi (Gogó): “O capital não tem autocrítica e as autoridades postas a seu serviço menos ainda”.

É uma ótima definição para o que acontece com histórica omissão das autoridades brasileiras, diante desta gananciosa e suicida relação da indústria agroquímica e o agronegócio. Nesse passo, eles morrerão ricos, mas morreremos todos.

Como leitura adicional, para melhor compreensão desta tragédia global ,sugerimos que leiam os artigos:

agrotóxicos: O holocausto está aqui, mas não o vêem, artigo de Graciela Cristina Gómez

Agrotóxicos: poluição invisível, por Márcia Pimenta

agrotóxicos: A feira envenenada, por Márcia Pimenta

Agrotóxicos e saúde, por Waldir Bertúlio

[EcoDebate, 01/09/2008]

One Response to Agrotóxicos matam abelhas e envenenam nossa alimentação

  1. Pingback: Portal EcoDebate » Blog Archive » Agrotóxicos matam abelhas e envenenam nossa alimentação

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: