Estudo registra a herança tóxica do carvão no Ártico


Gráfico demonstrando a concentração na Groelândia, de 1772 a 2003. Mensal em preto e anual em vermelho

Sabe-se que as emissões industriais de poluentes viajam através da atmosfera para o Ártico, onde são depositadas e bioacumuladas por plantas e animais, incorporando-se na cadeia alimentar. Pouco se sabia, no entanto, sobre os níveis de poluição no Ártico anteriores a 1980. Por Henrique Cortez, do EcoDebate, com informações da PNAS.

Os pesquisadores Joseph McConnell e Ross Edwards mediram as concentrações altamente tóxicas de tálio, cádmio, chumbo nos núcleos de gelo da Groelândia, construindo, até 2003, a imagem, mês-a-mês, da poluição ao longo dos últimos dois séculos. Os seus dados mostram que, até 1860, existiam traços de metais coerentes com os níveis históricos, grande parte resultante de poeira continental, incêndios florestais e atividade vulcânica.

Todos os três metais pesados começaram a se acumular depois de 1800, com níveis mais altos na década de 1910 a 1920, diminuindo durante a Grande Depressão, voltando a subir durante a Segunda Guerra Mundial, voltando a cair depois da aprovação da legislação de controle de poluição atmosférica nos EUA (Clean Air Act), promulgada pela Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) em 1970.

As concentrações de tálio e cádmio, retornaram aos níveis pré-industriais. O chumbo que chegou a cair em cerca de 90%, após a eliminação do chumbo na gasolina e da redução das emissões industriais na década de 1970, agora é 2,5 vezes maior do que os níveis pré-industriais.

A combustão do carvão parece ter sido a principal responsável pela poluição por metais pesados tóxicos, de século atrás, dizem os autores.

Atualmente, o estudo indica, que o crescimento das concentrações de poluentes possui origem trans-pacífica, em razão do rápido crescimento das economias asiáticas, a partir de energia produzida, principalmente, pela queima de carvão.

O estudo é um alerta sobre os riscos potenciais na saúde humana e no meio ambiente do uso do carvão, mesmo de emissões de regiões remotas da área de impacto/acumulação.


A pesquisa foi publicada na revista PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America), de 26/08/20086

Coal burning leaves toxic heavy metal legacy in the Arctic
Joseph R. McConnell e Ross Edwards
August 26, 2008; 105 (34)
PNAS 2008 105:12140-12144; published ahead of print August 18, 2008, doi:10.1073/pnas.0803564105

Para acessarem o texto na íntegra, no original em inglês, no formato PDF, cliquem aqui

Para acessarem o texto na íntegra, no original em inglês, no formato HTML, cliquem aqui

[EcoDebate, 01/09/2008]

One Response to Estudo registra a herança tóxica do carvão no Ártico

  1. Pingback: Portal EcoDebate » Blog Archive » Estudo registra a herança tóxica do carvão no Ártico

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: