Sobrepesca européia ameaça o atum azul

[European overfishing threatens the blue tuna]

Planeta Sustentável.
Funcionários do mercado Tsukiji, em Tóquio, inspecionam um lote de atum-azul: a espécie corre o risco de desaparecer. Foto de Kiko Nogueira. Fonte: Planeta Sustentável.

Estudo da Technical University of Denmark (DTU Aqua) e da University of New Hampshire, avalia que o atum azul, no atual ritmo de sobrepesca, deve desaparecer ao longo de todo o nordeste do oceano atlântico e do mediterrâneo. Não será a primeira vez, porque o atum azul desapareceu das águas dinamarquesas na década de 1960. Por Henrique Cortez, do EcoDebate.

O atum azul é valorizado e, com a redução do estoques marinhos, o seu preço atinge níveis recordes. Um quilo de sua carne, em razão da escassez e da procura, pode atingir 130 euros. No nordeste do oceano atlântico e no mediterrâneo a espécie é capturada pelos pescadores de vários países, principalmente França, Espanha e Itália. O Japão é o maior consumidor internacional, tendo em vista que o atum azul é considerado parte essencial dos melhores e mais caros sushis e sashimis.

Mas há menos atum no mar e os que ainda são encontrados são mais jovens e menores. Em 2006, a organização que gere a pesca do atum azul (ICCAT; International Commission for the Conservation of Atlantic Tunas), lançou um plano de recuperação, cujo principal objetivo consiste em recuperar a população até 2022. A recuperação seria alcançada através da progressiva redução das quotas pesqueiras entre 2007-2010 e execução das demais normas da pesca.

O plano de gestão é, no entanto, insuficiente para impedir que a população de atum azul fique ainda menor nos próximos anos. Isso é evidente a partir de análises feitas por Brian MacKenzie (DTU Aqua), juntamente com os colegas Henrik Mosegaard (DTU Aqua) e Andrew A. Rosenberg (Universidade de New Hampshire, E.U.A.).

“Nossos cálculos mostram que o atual plano de recuperação tem poucas chances de alcançar o seu objetivo e não será capaz de proteger a população do nordeste do oceano atlântico e do mediterrâneo, que continua a diminuir rapidamente. A população encontra-se, atualmente, no seu nível mais. Todo ano vamos estabelecer um novo recorde de redução “, explica Brian Professor MacKenzie, do Instituto Nacional de Recursos Aquáticos na Universidade Técnica da Dinamarca (DTU Aqua).

Grande pesca ilegal

Em 2006 (último ano para o qual existem dados disponíveis), as capturas oficialmente comunicadas foram de 30.650 toneladas. A ICCAT estima que as captura ilegais foram de 20 mil toneladas de modo que do total de capturas ( legais e ilegais) foram superiores a 50 mil toneladas. No entanto, em 2007, a ICCAT estimou que o total de capturas (novamente considerando legais e ilegais) foram superiores a 60 mil toneladas.

Professor MacKenzie Brian, DTU Aqua, diz: “Novas regulamentações e medidas são necessárias para proteger os peixes que ainda estão no mar. Isso significará uma redução substancial da mortalidade por pesca, bem como a vontade política para implementar e aplicar novas regulamentares “.

“Quanto mais esperamos, mais difícil será reconstruir a população. Existe também um risco de que a população pode nunca mais volte à quantidade considerada sustentável. Isso acontece porque o ecossistema pode mudar de modo a que seja menos produtivo para o atum azul. Essa mudança aconteceu na costa leste do Canadá quando a população do bacalhau diminuiu, mas ainda não voltou, mesmo após uma moratória de pesca”.

Os pesquisadores estimam que, nos atuais níveis de captura ( legal e ilegal) a população adulta de atum azul, em 2011, será 75% menor do que o estimado em 2005.

“Mesmo no âmbito do plano de recuperação, a população provavelmente irá cair para níveis baixos e novos recordes nos próximos 2-3 anos. As quotas existentes são demasiado elevadas e permitem às frotas de pesca a captura de todos ou quase todos os adultos do atum do nordeste do oceano atlântico e do mediterrâneo,. Essa situação irá reduzir o sucesso reprodutivo da população, e torna-la mais vulnerável às más condições ambientais e dos ecossistemas “, afirma Brian MacKenzie, DTU Aqua.

Importante decisão

A ICCAT reunir-se, agora em novembro/2007, para decidir sobre a regulamentação da pesca do atum azul, e se o atual plano de recuperação precisa ser mudado.

Em junho de 2008, a UE encerrou a temporada de pesca de atum azul mais cedo, porque 6 países da UE já tinham capturado a sua parte da cota de pesca. A capacidade de pesca dos países da UE é tão grande que, de acordo com a UE, há um risco real de sobrepesca.

O atum azul na Dinamarca

O atum azul já foi, por exemplo, abundante nas águas próximas da Dinamarca. Eles eram tão abundantes e a captura tão elevada que a primeira fábrica de conservas do atum foi inaugurada na Dinamarca em 1929, em Skagen.

A pesca, no entanto, foi muito superior à capacidade de reposição dos estoques pesqueiros do atum azul. A fartura acabou em meados dos anos 1960. Hojem, o atum azul é extremamente raro no Mar do Norte e no Mar da Noruega.

Para acessar a íntegra do artigo “Impending collapse of bluefin tuna in the northeast Atlantic and Mediterranean (p )”, Brian R. MacKenzie, Henrik Mosegaard, Andrew A. Rosenberg, Accepted Article Online: Nov 5 2008 5:56AM, DOI: 10.1111/j.1755-263X.2008.00039.x, no original, em inglês, no formato PDF, clique aqui.

[EcoDebate, 08/11/2008]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

One Response to Sobrepesca européia ameaça o atum azul

  1. Pingback: Portal EcoDebate » Blog Archive » Sobrepesca européia ameaça o atum azul

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: