Novos estudos mostram crescentes riscos tóxicos do bisfenol A (BPA) em recém-nascidos, por Henrique Cortez

Foto do Portal Babble.com
Foto do Portal Babble.com

[EcoDebate] Os recém-nascidos são mais intensamente expostos à contaminação por bisfenol A (BPA), um sintético estrogênio e onipresente componente plástico, de acordo com dois novos estudos publicados pela Environmental Health Perspectives, a revista do National Institute of Environmental Health Sciences.

Os estudos oferecem novos insights sobre os graves danos causados BPA, um produto químico industrial capaz de perturbar o sistema endócrino, diminuir a atividade cerebral e neurológica, além de causar danos permanentes ao sistema reprodutivo de animais jovens em laboratório

O estudo intitulado ” Exposure to Bisphenol A and other Phenols in Neonatal Intensive Care Unit Premature Infants“, preparado por uma equipe liderada por Antonia M. Calafat, do Centers for Disease Control and Prevention, testou a urina de 41 crianças prematuras em tratamento em duas unidades de terapia intensiva neonatal, na região de Boston, para avaliar a presença de BPA e outros produtos químicos.

Os cientistas detectaram BPA na urina de cada criança, com um nível médio de 28,6 microgramas por litro, cerca de 8 vezes o nível médio (3,7 microgramas por litro) encontrado pelo CDC em crianças de 6 a 11 anos da população em geral. A criança com a mais grave a exposição ao BPA tinha uma concentração urinária total de 946 microgramas por litro, 256 vezes maior do que em crianças maiores, de acordo com os níveis testados pelo CDC.

A amostra, quando comparada a outros dados do CDC, demonstram que a polulação adulta tem um nível médio de BPA na urina de 2,7 microgramas por litro. Por essa média, o nível média de BPA nos bebês foi 10 vezes superior aos dos adultos.

Os pesquisadores também medidos níveis elevados de parabenos, conservantes utilizados nos produtos farmacêuticos e cosméticos, e ftalatos, plastificantes, que, tal como o BPA, são conhecidos por afetar o sistema endócrino

Os cientistas não identificar exatamente como os bebês foram expostos ao BPA e outros produtos químicos, mas defendem que o BPA pode ter lixiviado para as crianças a partir de tubos e outros dispositivos médicos (tubulação de plástico, sacos de gotejamento de soro, máscaras respiratórias e cateteres). Parte do BPA, disseram, poderia ter vindo de garrafas de plástico de mamadeiras para bebês.

Os resultados sem precedentes do estudo são particularmente preocupantes, uma vez que sugerem que tubos e outros dispositivos médicos em hospitais, amplamente utilizados, podem contribuir para contaminação dos lactentes por BPA e outros produtos químicos.

O estudo não identificou problemas de saúde específicos sofrido pelas crianças expostas a elevados níveis de BPA.

No entanto, os pesquisadores avaliam que “Nossos achados sugerem que crianças podem ser expostas, durante períodos críticos do seu desenvolvimento, a vários contaminantes, com potencial de afetar o sistema reprodutivo e o seu desenvolvimento, acumulando nos seus tecidos produtos tóxicos em níveis superiores aos relatados para a população em geral ….”

As exposições a produtos químicos para recém-nascidos são uma grande preocupação, no que diz respeito ao potencial de conseqüências adversas para a saúde ao longo de toda a vida. Os prematuros, em unidades de terapia intensiva, imaturos fisiologicamente, eles são um risco potencial elevado da população após a exposição a substâncias químicas ambientais. ”

Um segundo estudo [Predicting plasma concentrations of Bisphenol A in young children (< two years) following typical feeding schedules using a physiologically-based toxicokinetic model] já foi destacado matéria anterior do Ecodebate.

Neste estudo, utilizando-se de um modelo matemático, baseado nas diferenças enzimáticas entre recém-nascidos e adultos, os cientistas estimaram que o montante do bisfenol-A, BPA, que circula no sangue dos bebês é mais do que 11 vezes superior ao montante em adultos sangue. A grande disparidade é, provavelmente, devida às naturais diferenças no metabolismo e tamanho corporal entre bebês e adultos.

Estes estudos são importantes para informar a população e, na medida do possível, intensificar a pressão sobre os órgãos reguladores para impor novos parâmetros de exposição aos contaminantes químicos e para motivar a proibição dos produtos químicos reconhecidamente prejudiciais à saúde. Nem que seja para proteger a saúde e o desenvolvimento de bebês e crianças.

O artigo “Exposure to Bisphenol A and other Phenols in Neonatal Intensive Care Unit Premature Infants” está disponível para livre acesso, no formato PDF. Para acessar o artigo, na integra, clique aqui.

Abaixo relacionamos algumas matérias que já publicamos discutindo a segurança e os riscos do BPA, além de três importantes fontes de consulta relativas às pesquisas e estudos internacionais já realizados.

Fontes de consulta:

Relatório do The National Institute of Environmental Health Sciences

The NTP-CERHR Monograph on Bisphenol A

Bisphenol A Overview

Algumas das matérias já publicadas pelo EcoDebate:

Estudo estima que a presença de bisfenol-A, BPA, é 11 vezes maior em bebês do que os adultos, por Henrique Cortez

Nova pesquisa reafirma os riscos do bisfenol-A, BPA, para o desenvolvimento de câncer, por Henrique Cortez

EUA: Legisladores iniciam discussões para a total proibição do bisfenol-A (BPA)

Novas pesquisas dizem que o bisfenol-A (BPA) pode provocar danos permanentes no cérebro das crianças

Pesquisador afirma que não existem níveis seguros de exposição ao Bisfenol A (BPA)

Bisfenol A (BPA): Ferver garrafas plásticas acelera a liberação de substâncias tóxicas

Pesquisa associa Bisfenol A (BPA) a problemas cardiovasculares e diabetes

Agências norte-americanas discordam sobre os riscos do bisfenol A (BPA) em plásticos

Química em plástico pode prejudicar as crianças

[Matéria de Henrique Cortez, do EcoDebate, 24/01/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

2 Responses to Novos estudos mostram crescentes riscos tóxicos do bisfenol A (BPA) em recém-nascidos, por Henrique Cortez

  1. Pingback: Novos estudos mostram crescentes riscos tóxicos do bisfenol A (BPA) em recém-nascidos, por Henrique Cortez | Portal EcoDebate

  2. Pingback: Novos estudos mostram crescentes riscos tóxicos do bisfenol A (BPA) em recém-nascidos, por Henrique Cortez | Portal EcoDebate

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: