Derretimento global de geleiras continua se acelerando, por Henrique Cortez

Os habitantes de Grindelwald, Suiça, são testemunhos do desaparecimento gradual das geleiras. (swissinfo)
Os habitantes de Grindelwald, Suiça, são testemunhas do desaparecimento gradual das geleiras. (swissinfo)

[EcoDebate] Geleiras em todo o mundo continuam a derreter a altas taxas. Estimativas sobre o ano de 2007, do World Glacier Monitoring Service, da Universidade de Zurique, na Suíça, indicam uma maior perda da espessura média de gelo de cerca de 0,67 metros de água equivalente (mwe). Algumas geleiras nos Alpes europeus perderam até 2,5 mwe..

Novos dados de mais de 80 geleiras confirmam a tendência mundial do rápido degelo desde 1980. Geleiras sob observação no longo prazo (30 geleiras na cordilheira 9) sofreram uma redução na espessura total de mais de 11 mwe até 2007. A média anual da perda gelo durante 1980-1999 foi de cerca de 0,3 mwe que por ano. Desde 2000, esta taxa aumentou para cerca de 0,7 mwe por ano.

Michael Zemp, glaciologista e pesquisador associado do WGMS, afirmou: «A perda média gelo em 2007 não foi tão extrema como em 2006, mas houve grandes diferenças entre as cordilheiras. Geleiras no Alpes europeus perderam até 2,5 metros de água equivalente de gelo, enquanto as geleiras marítimas da Escandinávia foram capazes de ganhar mais de um metro de espessura. No entanto, 2007 é agora o sexto ano, deste século, em que a média de perda de gelo das geleiras de referência tenha excedido metade de um metro. Isso resultou em mais de uma duplicação das taxas de derretimento da década de 1980 e 90. »

Para o período de observação de 2007, foram relatadas perdas dramáticas de gelo em glaciares nos Alpes europeus, como a do Hintereisferner (-1,8 mwe) ou a Sonnblickkess (-2,2 mwe) na Áustria, o Sarennes (-2,5 mwe) em França, o Caresèr (-2,8 mwe), em Itália, ou da Silvretta (-1,3 mwe) e Gries (-1,7 mwe), na Suíça. Na Noruega, muitas geleiras marítimas foram capazes de ganhar massa, por exemplo, o Nigardsbreen (1,0 mwe) ou a Ålfotbreen (1,3 mwe), embora, mais para o interior, as geleiras continuaram a diminuir, por exemplo, o Hellstugubreen ou o Gråsubreen (ambos com -0,7 mwe).

Todos os programas de monitoramento sul-americanos relataram valores negativos, variando de -0,1 mwe no Echaurren, no Norte do Chile, a -2,2 mwe. no Ritacuba Negro na Colômbia. Na América do Norte foram notificados alguns valores positivos nas North Cascade Mountains e no Juneau Ice Field, juntamente com a continuação da perda de gelo nas geleiras do Alasca , assim como do Canadá.

Nota explicativa:

Medindo unidade ‘água equivalente’: Glaciologistas exprimem o balanço anual da massa de gelo, ou seja, o ganho ou a perda de espessura em um glaciar em termos de ‘metro água equivalente (wme). Esta unidade tem padronizado as diferentes densidades de alteraração nas medições em gelo e neve. Um metro de espessura de gelo corresponde a cerca de 0,9 wme

[Por Henrique Cortez, do EcoDebate, 30/01/2009, com informações de Michael Zemp, University of Zurich (Universität Zürich)]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: