Desta vez, os inimigos da Pátria são os quilombolas, por Henrique Cortez

[EcoDebate] Como discutimos no editorial “Ambientalistas, os novos inimigos da Pátria (Quem são os inimigos da Pátria?)” o governo, seus ministros – exceções honrosas -, parlamentares ruralistas, representações empresariais, com o apoio expresso da grande mídia, sempre que podem atacam os ambientalistas, como sempre atacaram os movimentos sociais e populares.

A campanha difamatória não perde fôlego e, desta vez, ataca os quilombolas.

De acordo com a Agência Estado o ministro da Ciência e Tecnologia (MCT), Sérgio Rezende criticou ‘intransigência’ de quilombolas na região de Alcântara, no Maranhão. Segundo ele “Está havendo uma certa intransigência“, disse. Ele manifestou preocupação com a situação, observando que o movimento “tem impedido ou dificultado a evolução do programa espacial“. “Temos de ter um diálogo. Nesse momento eles estão impedindo o trabalho que nós estamos procurando fazer“, afirmou o ministro, que esteve em Belo Horizonte, onde assinou convênios com o governo de Minas Gerais. “Muitos desses movimentos sociais são liderados por pessoas que até têm outros interesses“, disse, sem citar quais seriam essas pretensões.

Argumentos semelhantes, pelas mesmas ‘razões’ e igualmente contra os quilombolas já haviam sido usados pelo ministro Jobim. Segundo a Folha Online o ministro Jobim afirmou que “Da perspectiva do Ministério da Defesa, a área de Alcântara é imprescindível. Ou seja, o Brasil é o único que dispõe, junto com a França, em Kouru (base de lançamentos na Guiana Francesa), de local privilegiadíssimo para o lançamento de satélites. Não podemos abrir mão desse aspecto“, afirmou, no Rio.

As declarações dos ministros, por si mesmas, demonstram de quem é a intransigência e a falta de diálogo. Ambos demonstram e fazem questão de expressar que o governo quer a área e ponto final.

Outra questão são os outros interesses que “tem impedido ou dificultado a evolução do programa espacial”. Bem, vamos avaliar um pouco melhor a quem interessaria “sabotar” o nosso programa espacial.

É evidente que as agências espaciais e a indústria aeroespacial dos EUA e Europa não devem estar preocupadas conosco, já que estão anos-luz a nossa frente. A China, a Ucrânia e a Índia têm diversas parcerias conosco nesta área e sempre demonstraram vontade de avançar ainda mais.

Sobram os nossos vizinhos latino-americanos e, mesmo eles, também não estão preocupados com o nosso programa espacial, principalmente porque todos tem coisas mais importantes e urgentes com que se preocupar.

As acusações generalistas de que os movimentos sociais têm outros interesses precisam ser provadas e documentadas. Se não foram até agora é porque os ‘fatos” não existem. Se existissem e pudessem ser provadas, alguns ministros não perderiam a oportunidade de criminalizar os que se opõe ao seu desenvolvimentismo.

O governo não está percebendo que diversos ministros estão perdendo contato com princípios básicos das democracias modernas, inclusive esquecendo que os governos são transitórios, mas a sociedade não é.

Atitudes recheadas de arrogância e soberba, que defendem o princípio de que ‘os fins justificam os meios’ podem ser muito perigosas para a democracia. Não podem e não devem ser permitidas e muito menos estimuladas. Governo deve ficar atento ou vai perder o controle do ‘serpentário’.

Na outra ponta da questão, há quem, dentro do governo, queira estimular a reaproximação com os movimentos sociais e populares. Mas fica a pergunta: reaproximar em que? qual a pauta? quais as propostas e compromissos?

Estes são momentos difíceis e, ao que parece, podem piorar e muito. Mas não precisam piorar.

Tenho certeza de que os movimentos sociais e populares continuam abertos ao diálogo e têm tanto amor ao país como qualquer ministro diz ter. Mas, acima de tudo, um diálogo só pode ser construído com respeito.

O governo deve explicar aos ministros o que são os movimentos sociais e populares, qual a importância destes movimentos para que este governo fosse possível. Deve ainda explicar que o respeito para com parceiros históricos não pode ser menor do que o respeito para com os aliados de ocasião.

A partir daí, o diálogo necessário torna-se possível.

Henrique Cortez, henriquecortez@ecodebate.com.br
coordenador do Ecodebate

batendo bumbo...

[EcoDebate, 18/02/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

One Response to Desta vez, os inimigos da Pátria são os quilombolas, por Henrique Cortez

  1. Pingback: Desta vez, os inimigos da Pátria são os quilombolas, por Henrique Cortez | Portal EcoDebate

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: