Canadá declara oficialmente que o bisfenol-A (BCP) é um risco sanitário

mamadeiras
Imagem do TreeHugger.com

[Por Henrique Cortez, do EcoDebate] Neste sábado, 18/04, o Canadá tornou-se o primeiro país a declarar formalmente o bisfenol-A (BPA) perigoso para a saúde humana, determinando que a indústria de produtos infantis não poderá produzir e comercializar produtos com a substância. Isto vale, imediatamente, para as mamadeiras.

Há pouco mais seis meses o ministro da Saúde do Canadá, Tony Clement, já havia ‘avisado’ a indústria química, anunciando o plano do governo de colocar o bisfenol-A na sua lista de substâncias tóxicas.

A decisão é uma proibição limitada desta substancia química, amplamente utilizada. De acordo com o ministro, os canadenses “não precisam estar preocupados” sobre os efeitos para a saúde do bisfenol-A. “Este não é o caso dos recém-nascidos e lactentes.”

Esperava-se pela proibição total, tendo em vista as declarações anteriores do ministro da Saúde do Canadá, Tony Clement, mas não foi o que aconteceu, tendo em vista que, por agora, a proibição apenas refere-se aos produtos infantis.

Rick Smith, diretor-executivo da ONG Environmental Defence e coautor do livro “How the Toxic Chemistry of Everyday Life Affects Our Health” disse que a decisão é um “bom começo”.

Mas ele disse que novas provas cientificas se acumulam, apontando o efeitos prejudiciais do bisfenol-A para a saúde, mesmo em adultos.

As últimas pesquisas, incluindo o primeiro grande estudo em seres humanos sobre os efeitos do BPA, publicado pelo Journal of the American Medical Association, encontraram uma “relação significativa” entre a exposição aos onipresentes xenoestrógenos químicos e as doenças cardíacas, diabetes e problemas hepáticos.

Nos EUA, por outro lados, a FDA, Food and Drug Administration, está sob sevaras críticas ao ter declarado, em março/2009, que o BPA era seguro para o armazenamento de alimentos.

Na quinta-feira, o Washington Post publicou um editorial afirmando que a recomendação final da FDA, prevista para o final de abril, deveria ser considerada suspeita em razão de conflito de interesses.

De acordo com o jornal, uma recente doação de US $ 5 milhões foi efetuada pela indústria para a University of Michigan, Risk Science Center. O doador, Charles Gelman, é um conhecido defensor e porta-voz pró BPA

O problema central está no fato do diretor do Risk Science Center, o toxicologista Martin Philbert, ser o chefe do painel consultivo da FDA que prepara a avaliação do risco do bisfenol-A (BPA).

É, como conclui o Washington Post, um sério caso de conflito de interesses, que pode comprometer a avaliação que, supostamente, deveria ser cientificamente isenta.

Nota do EcoDebate: para maiores informações transcrevemos, abaixo, as informações da Vigilância Sanitária, Ministério da Saúde, sobre os riscos sanitários.

O que são riscos sanitários?

Riscos sanitários são os perigos que podem ameaçar nossa saúde no dia-a-dia, quando consumimos um produto ou quando utilizamos um determinado serviço. Os riscos à saúde são classificados em cinco tipos – ambientais, ocupacionais, iatrogênicos, institucionais e sociais. Essa classificação, no entanto, não é rígida. Muitas um risco ambiental, como a falta de saneamento básico (água e esgoto) está relacionado à questões sociais.

Tipos de riscos à saúde

Riscos ambientais: relacionados à qualidade da água que consumimos, ao lixo (doméstico, industrial ou hospitalar), à poluição do ar, do solo e da água dos mananciais, à presença de insetos e outros animais transmissores de doenças, etc.

Riscos ocupacionais: relacionados ao ambiente de trabalho.

Riscos iatrogênicos: relacionados a tratamento médico ou uso de serviços de saúde.

Riscos institucionais: relacionados às condições físicas, higiênicas e sanitárias de estabelecimentos públicos (creches, clubes, hotéis, salão de beleza, saunas, etc.)

Riscos sociais: relacionados às condições familiares, financeiras e afetivas das pessoas e à inserção social dos indivíduos.

Exemplos de riscos sanitários:

* Instrumentos infectados num salão de beleza ou num consultório dentário.
* Produtos de limpeza ineficazes que não matam bactérias.
* Produtos de beleza que causam alergias.
* Aparelhos de Raio-x desregulados que emitam mais radiação do que podemos suportar.
* Alimentos fora do prazo de validade ou que não tenham os componentes indicados nos rótulos.
* Vazamentos de produtos tóxicos nos rios.
* Ambiente de trabalho com alto nível de fumaça.

[EcoDebate, 20/04/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: