Grandes depósitos de carbono congelado ameaçam agravar as mudanças climáticas

Solo congelado na região de Hudson Bay Lowlands, Canadá. Foto de Peter Khury.

[Por Henrique Cortez, do Ecodebate] Poucas pessoas compreendem com clareza os riscos climáticos da emissão de co2 e metano pelo derretimento do permafrost. Este é um dos temas mais discutidos e avaliados nas mais recentes pesquisas e, ainda assim, está distante do grande público em termos de compreensão.

O rápido degelo do permafrost é uma crescente preocupação em relação ao aquecimento global e as mudanças climáticas. Permafrost é um solo permanentemente congelado, que contém raízes e outros compostos de matéria orgânica, que se decompõem de forma extremamente lenta. Se descongelado, as bactérias e fungos podem “quebrar” o carbono, contido na matéria orgânica presente, muito mais rapidamente, libertando-o para a atmosfera como o dióxido de carbono ou metano.

Os cientistas estão cada vez mais preocupados com este processo natural porque as temperaturas na latitudes mais setentrionais têm aquecido rapidamente.

Um estudo [Soil organic carbon pools in the northern circumpolar permafrost region], publicado esta semana, calculou que a quantidade de carbono armazenado nas regiões árticas e boreais é mais do dobro que o anteriormente estimado.

O estudo estimou que o permafrost estoca 1,5 biliões de toneladas de carbono congelado, aproximadamente o dobro do carbono contido na atmosfera. Os autores afirmam que a existência destes super-dimensionados depósitos de carbono congelado significa que qualquer descongelamento de permafrost, devido ao aquecimento global pode levar a um significativo aumento das emissões de gases com efeito de estufa (dióxido de carbono e metano).

Depósitos de carbono congelado foram formados há milhares de anos e podem facilmente se ‘quebrar’. Esta é uma nova variável a ser considerada nas próximas pesquisas e estimativas sobre o aquecimento global.

Os autores apontam para a grande incerteza quanto à medida em que o descongelamento do carbono estocado no permafrost poderá acelerar ainda mais as mudanças climáticas.

Outras informações e estudos sobre o permafrost podem ser encontrados no Global Carbon Project.

O estudo “Soil organic carbon pools in the northern circumpolar permafrost region” foi publicado revista “Global Biogeochemical Cycles”, da American Geophysical Union e está disponível apenas para assinantes e/ou por acesso pago.

Para maiores informações transcrevemos, abaixo, o abstract:

Soil organic carbon pools in the northern circumpolar permafrost region
C. Tarnocai
Research Branch, Agriculture and Agri-Food Canada, Ottawa, Ontario, Canada

J. G. Canadell
Global Carbon Project, Marine and Atmospheric Research, CSIRO, Canberra, ACT, Australia

E. A. G. Schuur
Department of Botany, University of Florida, Gainesville, Florida, USA

P. Kuhry
Department of Physical Geography and Quaternary Geology, Stockholm University, Stockholm, Sweden

G. Mazhitova
Komi Science Center, Russian Academy of Sciences, Syktyvkar, Russia

S. Zimov
Northeast Science Station, Russian Academy of Sciences, Cherskii, Russia

The Northern Circumpolar Soil Carbon Database was developed in order to determine carbon pools in soils of the northern circumpolar permafrost region. The area of all soils in the northern permafrost region is approximately 18,782 × 103 km2, or approximately 16% of the global soil area. In the northern permafrost region, organic soils (peatlands) and cryoturbated permafrost-affected mineral soils have the highest mean soil organic carbon contents (32.2–69.6 kg m?2). Here we report a new estimate of the carbon pools in soils of the northern permafrost region, including deeper layers and pools not accounted for in previous analyses. Carbon pools were estimated to be 191.29 Pg for the 0–30 cm depth, 495.80 Pg for the 0–100 cm depth, and 1024.00 Pg for the 0–300 cm depth. Our estimate for the first meter of soil alone is about double that reported for this region in previous analyses. Carbon pools in layers deeper than 300 cm were estimated to be 407 Pg in yedoma deposits and 241 Pg in deltaic deposits. In total, the northern permafrost region contains approximately 1672 Pg of organic carbon, of which approximately 1466 Pg, or 88%, occurs in perennially frozen soils and deposits. This 1672 Pg of organic carbon would account for approximately 50% of the estimated global belowground organic carbon pool.

Received 13 August 2008; accepted 3 April 2009; published 27 June 2009.

Citation: Tarnocai, C., J. G. Canadell, E. A. G. Schuur, P. Kuhry, G. Mazhitova, and S. Zimov (2009), Soil organic carbon pools in the northern circumpolar permafrost region, Global Biogeochem. Cycles, 23, GB2023, doi:10.1029/2008GB003327.

[EcoDebate, 01/07/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

One Response to Grandes depósitos de carbono congelado ameaçam agravar as mudanças climáticas

  1. Pingback: Derretimento do permafrost ameaça agravar o aquecimento global - Alfaconnection

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: