Novos estudos sugerem que projeções climáticas subestimam o impacto do CO2, por Henrique Cortez

Temperaturas médias Plioceno Médio
Temperaturas médias Plioceno Médio

Temperaturas médias atualmente
Temperaturas médias atualmente

[EcoDebate] O clima pode ser de 30 a 50% mais sensível ao dióxido de carbono atmosférico a longo prazo do que o atualmente estimado. É o que sugerem novos estudos [Earth system sensitivity inferred from Pliocene modelling and data, publicado na revista Nature Geoscience e Pliocene three-dimensional global ocean temperature reconstruction, publicado na Climate of the Past].

De acordo com os estudos, as projeções sobre as condições climáticas nos próximos séculos, incluindo as temperaturas globais, precisam ser ajustadas para refletir essa maior sensibilidade.

“A mudança climática está afetando o abastecimento de água para cidades e fazendas, levando a ciclos mais graves de secas, aumento da força e intensidade de furacões e inundações, contribuem para os incêndios florestais mais intensos e colocam as comunidades costeiras em risco”, disse o secretário do Interior dos EUA, Ken Salazar, que está em sua caminho para a conferência mundial sobre as mudanças climáticas em Copenhague. “Este estudo e o trabalho contínuo de nossos cientistas do USGS (E.U. Geological Survey) nos ajudam a construir projeções mais precisas em mais longo prazo, necessárias se preparar para os impactos das mudanças climáticas em nosso mundo.”

Uma equipe de cientistas, liderada pela Universidade de Bristol, e incluindo o USGS, estudou as temperaturas globais 3.3 a 3 milhões de anos atrás, achando que as médias foram significativamente maiores do que o esperado a partir dos níveis atmosféricos de dióxido de carbono na época.

Os dados, aparentemente, foram subestimados porque a sensibilidade de longo prazo do sistema da Terra não foram devidamente tidos em conta. Nesses períodos anteriores, a Terra tinha mais tempo para se adaptar a alguns dos impactos mais lento das mudanças climáticas. Por exemplo, como o clima se aquece e as camadas de gelo derretem, a Terra vai absorver mais luz solar e continuar o ciclo de aquecimento no futuro, porque cada vez menos gelo estará presente para refletir o sol.

Os dados do geológicos do USGS foram utilizados para a reconstrução das condições ambientais durante esse período, conhecido como o período quente do Plioceno Médio. Esses dados permitiram aos autores testar a sensibilidade do sistema terrestre às concentrações do dióxido de carbono atmosférico.

As temperaturas médias globais durante o Plioceno Médio eram cerca de 3°C a 5,5°C maiores do que hoje e dentro do intervalo projetado para o século 21 pelo IPCC, Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática. Portanto, pode ser um período a ser tratado como um dos mais análogos ao atual, no sentido de ajudar a compreender as condições atuais e futuras da Terra.

Earth system sensitivity inferred from Pliocene modelling and data
Nature Geoscience (6 December 2009) | doi:10.1038/ngeo706
Daniel J. Lunt , Alan M. Haywood , Gavin A. Schmidt , Ulrich Salzmann , Paul J. Valdes & Harry J. Dowsett

Abstract

Quantifying the equilibrium response of global temperatures to an increase in atmospheric carbon dioxide concentrations is one of the cornerstones of climate research. Components of the Earth|[rsquo]|s climate system that vary over long timescales, such as ice sheets and vegetation, could have an important effect on this temperature sensitivity, but have often been neglected. Here we use a coupled atmosphere–ocean general circulation model to simulate the climate of the mid-Pliocene warm period (about three million years ago), and analyse the forcings and feedbacks that contributed to the relatively warm temperatures. Furthermore, we compare our simulation with proxy records of mid-Pliocene sea surface temperature. Taking these lines of evidence together, we estimate that the response of the Earth system to elevated atmospheric carbon dioxide concentrations is 30–50|[percnt]| greater than the response based on those fast-adjusting components of the climate system that are used traditionally to estimate climate sensitivity. We conclude that targets for the long-term stabilization of atmospheric greenhouse-gas concentrations aimed at preventing a dangerous human interference with the climate system should take into account this higher sensitivity of the Earth system.

Pliocene three-dimensional global ocean temperature reconstruction
H. J. Dowsett, M. M. Robinson, and K. M. Foley
United States Geological Survey, MS 926A, 12201 Sunrise Valley Drive, Reston, VA 20192, USA
Clim. Past, 5, 769-783, 2009

Abstract. The thermal structure of the mid-Piacenzian ocean is obtained by combining the Pliocene Research, Interpretation and Synoptic Mapping Project (PRISM3) multiproxy sea-surface temperature (SST) reconstruction with bottom water temperature estimates from 27 locations produced using Mg/Ca paleothermometry based upon the ostracod genus Krithe. Deep water temperature estimates are skewed toward the Atlantic Basin (63% of the locations) and represent depths from 1000 m to 4500 m. This reconstruction, meant to serve as a validation data set as well as an initialization for coupled numerical climate models, assumes a Pliocene water mass framework similar to that which exists today, with several important modifications. The area of formation of present day North Atlantic Deep Water (NADW) was expanded and extended further north toward the Arctic Ocean during the mid-Piacenzian relative to today. This, combined with a deeper Greenland-Scotland Ridge, allowed a greater volume of warmer NADW to enter the Atlantic Ocean. In the Southern Ocean, the Polar Front Zone was expanded relative to present day, but shifted closer to the Antarctic continent. This, combined with at least seasonal reduction in sea ice extent, resulted in decreased Antarctic Bottom Water (AABW) production (relative to present day) as well as possible changes in the depth of intermediate waters. The reconstructed mid-Piacenzian three-dimensional ocean was warmer overall than today, and the hypothesized aerial extent of water masses appears to fit the limited stable isotopic data available for this time period.

Final Revised Paper (PDF, 3065 KB)

Supplement (65 KB)

Discussion Paper (CPD)

Citation: Dowsett, H. J., Robinson, M. M., and Foley, K. M.: Pliocene three-dimensional global ocean temperature reconstruction, Clim. Past, 5, 769-783,

Henrique Cortez, do EcoDebate, 14/12/2009, com informações de Jessica Robertson, United States Geological Survey

One Response to Novos estudos sugerem que projeções climáticas subestimam o impacto do CO2, por Henrique Cortez

  1. Pingback: Novos estudos sugerem que projeções climáticas subestimam o impacto do CO2, por Henrique Cortez | Portal EcoDebate

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: