José Cortez, meu Pai

É sempre muito difícil ‘falar’ sobre quem temos grande admiração, simplesmente porque, por maior que seja o nosso cuidado, sempre seremos injustos.

Sinto-me desta forma, ao compartilhar algumas leves e simples informações sobre meu Pai, José Cortez. Sei que serei insuficiente e injusto porque, por maior que seja o meu cuidado e zelo, não conseguirei demonstrar a minha admiração e respeito na exata intensidade que sinto.

José Cortez, meu Pai, é e sempre foi uma pessoa admirável e excepcional, sem deixar de ser uma pessoa comum, que enfrenta a vida com a mesma determinação e grandeza cotidiana de todas as pessoas comuns.

Mesmo diante de graves e seguidos problemas de saúde nunca esmoreceu ou perdeu a vontade de lutar pela vida e pela oportunidade de estar ao lado dos que ama.

Algumas de suas grandes qualidades deveriam ser consideradas como óbvias e comuns. Afinal, ser um filho / marido / pai /amigo leal, dedicado e esforçado em ser o melhor possível é o que todos são. Bem, deveriam ser, mas isto não é tão obvio e comum assim.

O mesmo vale para seu esforço diário em ser correto, justo e honesto. Coisas que deveriam ser naturais e comuns a todos, mas não o são.

Resumindo e com a certeza de não ter conseguido ser justo em expressar a sua grandeza cotidiana, posso dizer com toda a certeza de meu imenso orgulho em ser seu filho, sentimento igualmente compartilhado por minha irmã, Maria Tereza.

Bem, uma forma simples de dar alguns exemplos do que digo está em relatar a sua experiência profissional, de acordo com a sua própria memória.

Vamos lá:

  • S.A. Irmão Lever – Promotor e Vendedor do sabão em pó Rinso. Trabalhou na Promoção e Propaganda do sabonete Lever na Campanha “Encontre uma Chave e ganhe um Chevrolet”;
  • Nestlé – Vendedor do café solúvel Nescafé e dos produtos lácteos;
  • Dulcora – Vendedor, Supervisor do lançamento do drops Dulcora (embrulhadinho um a um). Em razão de seu comprometimento profissional e dedicação, foi homenageado com um almoço, durante o qual recebeu a Medalha de Honra ao Mérito por Serviços Prestados;
  • Bauducco – Vendedor, atuando no lançamento do Panetone Bauducco em todos os supermercados da Capital paulista. Os panetones, até então, eram apenas vendidos nas lojas Bauducco, no Brás, Dicunto, na Moóca e Dulca, no centro da capital;
  • Fábrica de Tecidos Tatuapé – Vendedor de Lençóis, Fronhas e Toalhas;
  • Moinho Santista – Vendedor da fibra sintética Dralon, utilizada na confecção de malhas.

No Moinho Santista encerrou sua atividade profissional como vendedor, ao aposentar-se após sofrer um severo enfarto, que exigiu uma cirurgia para o implante de três pontes de safena. Aposentou-se após 19 anos de serviços ao grupo.

Se assim não o fosse, teria recebido o medalhão de ‘Sucata de Ouro’, concedido aos profissionais com 20 anos de serviços.

  • Já aposentado, recebeu o convite para trabalhar como motorista particular de famílias amigas. Trabalhou para as Sras. Aurélia e suas filhas, Gisele e Sônia, durante mais de 6 anos, até que novo problema de saúde impossibilitou que continuasse.

Que continuasse profissionalmente, fique claro, porque nem assim desistiu de continuar sua vida de forma produtiva e tão intensa quanto lhe foi possível.

Como afirmei, no início, não é simples nem fácil expressar a sua grandeza e sua excepcionalidade diante de uma vida com tantos momentos bons e difíceis,  como tantas outras vidas de inúmeras pessoas.

A grandeza e a excepcionalidade talvez não estejam exatamente no que José Cortez fez e faz, mas como fez e faz.

Fez e faz com a intensidade de quem ama a vida e ama intensamente a sua família, com grande respeito a todas as pessoas, conhecidas ou não.

Sei que este texto não é suficiente e não está à altura de tudo que representa para mim e por todas as oportunidades e exemplos que me deu, mas, com todo meu coração, posso afirmar, novamente certo de que minha irmã, Maria Tereza, pensa e sente o mesmo que eu, que temos um imenso orgulho de sermos seus filhos.

À você, José Cortez, meu Pai, um grande e agradecido abraço,

Henrique

Anúncios

O ambientalismo ‘coleciona’ derrotas, mas desistir não é opção, artigo de Henrique Cortez

[EcoDebate] A causa socioambiental passa por momentos difíceis, com seguidas derrotas. ‘Novo’ Código Florestal, Belo Monte, usinas no rio Madeira, transposição do Rio São Francisco, expansão do programa nuclear, poluição atmosférica crescente em nossas cidades, contaminação de alimentos e da água por agrotóxicos, abandono completo dos mais elementares cuidados de biossegurança, criminalização dos movimentos sociais, reforma agrária patinando e por aí vai.

Uma observação minimamente crítica indica que tivemos pequenos avanços pontuais e enormes derrotas estratégicas. Os movimentos sociais e populares discutem o que fazer e como identificar as melhores estratégias.

A discussão é pertinente e importante, mas devemos ter o cuidado de observar a estratégia que está por trás dos planos do governo. Estas estratégias estão interligadas e focadas no modelo de desenvolvimento, o desenvolvimentismo produtivista.

Em primeiro lugar, a insustentável expansão da fronteira agropecuária, incentivada pela exportação de grãos e carne, segue implacável.

Em segundo lugar, defende-se a expansão produtivista da capacidade de geração de energia elétrica, ‘esquecendo-se’ de que 20% de nossa energia firme é consumida pela indústria eletrointensiva (quase 500 empresas). Quase 80% das novas usinas projetadas e licitadas foram concebidas para atender este segmento industrial “energívoro”. É o caso das usinas do rio Madeira e de Belo Monte. Este segmento dedica-se, essencialmente, à exportação, tal como o alumínio primário, o que nos faz grandes exportadores de energia e água virtuais.

Na verdade, deveríamos iniciar as discussões sobre este modelo econômico neocolonial escorado na exportação de produtos primários, com destaque para minério, carne e grãos. É necessário questionar a quem serve este modelo e a quem beneficia.

Em terceiro, observem que existe uma estratégia cuidadosamente orquestrada, que inclui temas que, aparentemente, fazem parte de uma agenda secreta. É o caso das usinas do Madeira e Belo Monte, porque parece claro o interesse na hidrovia, novamente para atender aos exportadores de produtos primários.

Quanto ao rio São Francisco, já sabemos as verdadeiras razões da transposição. Mas qual é a lógica de criar novas usinas no rio, inclusive usinas nucleares?

Uma usina nuclear nada mais é do que uma usina termelétrica. Ou seja, simplificadamente, é uma gigantesca caldeira que através da queima de um combustível (gás, carvão ou nuclear) aquece água em alta pressão para girar uma turbina. Uma usina termelétrica, nuclear ou não, com 1,3 mil MW consome, por dia, água equivalente a uma cidade de 100 mil habitantes.

Na atual situação do São Francisco isto seria maluquice, certo? O governo acredita que não, por causa do “adormecido” projeto de transposição do Tocantins para o São Francisco. Este projeto, de Furnas, foi finalizado em meados do primeiro ano do Governo Lula (vejam em http://www.sfiec.org.br/artigos/infraestrutura/Transposicao_tocantins.htm ). O então superministro José Dirceu falou do assunto várias vezes (vejam em http://www.planobrasil.gov.br/noticia.asp?cod=236 ) .

Usinas nucleares também atendem a interesses militaristas. Desde o início do primeiro mandato do governo Lula, ocorreram várias defesas da bomba atômica e vários desmentidos, mas a freqüência com que o assunto volta a tona indica que a agenda nuclear militar pode estar adormecida, mas não está morta.

Bem, esta é apenas uma amostra do que pode estar acontecendo nos bastidores e indica que nossas propostas, quaisquer que sejam, serão solenemente ignoradas.

Os governos, e Lula o fez intensamente, reclamam dos ambientalistas, dos índios, dos quilombolas, dos ribeirinhos, do ministério público, do poder judiciário, dos movimentos sociais e de todos os que não concordam com esta opção pseudo-desenvolvimentista. E reclamam com razão, porque estes segmentos da sociedade não aceitam este modelo de desenvolvimento a qualquer custo.

Fomos considerados adversários porque recusamos este modelo de desenvolvimento neocolonial e porque somos um risco a esta orquestração e ao atendimento da agenda neoliberal. Esta é a essência dos ataques à legislação ambiental e da “flexibilização” dos licenciamentos.

Engana-se quem imagina que esta estratégia nasceu no governo Lula e foi herdada por Dilma. Ela é antiga e possui suficiente força econômica e política para manter-se ativa em quaisquer governos.

Como já disse antes, não vejo, de fato, qualquer diferença real entre o “desenvolvimentismo” de direita e o “desenvolvimentismo” com rótulo de esquerda. Nos dois casos, os perdedores são os mesmos de sempre.

O pragmatismo de governar, atendendo aos grandes interesses econômicos, acolhe em sua base de apoio políticos com longa e consolidada trajetória fisiológica.

Uma visão mais crítica e isenta elimina a ambigüidade e define claramente quem é quem. Quem tem um projeto de poder e quem tem um projeto de país.

Muitos acreditam que um outro Brasil é possível e necessário, meta da qual não nos “cansamos”. Podemos estar aborrecidos e frustrados, mas, definitivamente, não estamos desmotivados e muito menos “cansados”.

O lado bom da história é que esta tragédia anunciada não é irreversível, porque ainda é possível discutir e questionar este equivocado modelo de desenvolvimento. Podemos e devemos tentar mudar o curso deste governo eleito para ser democrático e popular. É o nosso papel e não podemos abrir mão dele.

Teremos o futuro que fizermos por merecer. Nem mais, nem menos.

Portanto, vamos à luta.

Henrique Cortez, henriquecortez{at}ecodebate.com.br
coordenador do EcoDebate
batendo bumbo

EcoDebate