bisfenol-A(BPA): Ao contrário do que diz a Abiquim já existem estudos científicos dos riscos à saúde

[Por Henrique Cortez, para o EcoDebate] Recentemente o MPF/SP instaurou inquérito para apurar riscos da substância bisfenol-A (BPA) à saúde, tendo em vista as crescentes preocupações mundiais com os reconhecidos riscos desta substância.

Como não poderia deixar de ser, a Abiquim imediatamente negou que os riscos existam.


Em entrevista a jornalista Daniel Mello, repórter da Agência Brasil, em 19/07/2010, o presidente da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), Nelson Pereira dos Reis,

…confirmou que dentro dos limites o Bisfenol não representa perigo. Segundo ele, mesmo com parte da substância pode se misturando ao alimento, se as normas de dosagem forem seguidas, a substância é eliminada rapidamente do organismo. “Ele é eficientemente metabolizado e excretado”, destacou.

A proibição do Bisfenol em alguns países se deve, de acordo com Pereira, a decisões políticas não embasadas em fatos científicos. “Não há nada cientificamente comprovado que o uso do Bisfenol A ofereça risco à saúde”.

A substância é utilizada, segundo ele, apenas em uma pequena parte dos produtos feitos de plástico. “O Bisfenol é utilizado na fabricação de policarbonados, o que perto do conjunto dos plásticos é uma parte muito pequena, perto de 1%.”

Apesar de garantir a segurança do produto, o presidente da Abiquim disse que “testes adicionais são bem-vindos”….

A declaração, meramente protocolar, não foi diversa do que seria de se esperar, principalmente considerando que a indústria química nunca foi uma militante da transparência e da verdade. Mas, neste caso, a distorção dos fatos pode ser uma ameaça à saúde pública.

O bisfenol-A (BPA) é tema recorrente nos meus textos como editor de ciências e, em razão disto, me darei ao trabalho de documentar vários estudos científicos dos riscos à saúde do BPA.

Vejamos:

  1. A exposição aos níveis ambientais regulamentados para indústria química dos EUA, pela EPA, ainda no útero e/ou no início da vida pode causar danos de longa duração à função testicular, segundo um novo estudo realizado em animais. Os resultados foram apresentados segunda-feira na 92a Reunião Anual da Endocrine Society’s, realizada em San Diego.

O estudo foi apresentado por Benson Akingbemi, PhD, principal autor do estudo e um professor adjunto na Auburn (Ala.) University.

  1. Na mesma reunião da Endocrine Society’s, foi apresentado um estudo do Prof. Evanthia Diamanti-Kandarakis, PhD, da University of Athens Medical School in Greece, segundo o qual mulheres com síndrome dos ovários policísticos (SOP), o desequilíbrio hormonal mais comum em mulheres em idade reprodutiva, podem ser mais vulneráveis à exposição ao BPA.

O estudo sugere que o BPA, um disruptor hormonal conhecido, é mais presente e associado com níveis mais altos de hormônios masculinos no sangue das mulheres com SOP, quando comparadas com mulheres saudáveis .

  1. O estudo Bisphenol-A exposure in utero leads to epigenetic alterations in the developmental programming of uterine estrogen response], publicada na edição online da revista FASEB (http://www.fasebj.org), agrega mais dados de que os níveis considerados seguros, de exposição ao Bisfenol-A(BPA), não são efetivamente seguros. A pesquisa sugere que a exposição ao bisfenol A (BPA) durante a gestação leva a alterações epigenéticas que podem causar problemas de reprodução permanente na prole do sexo feminino. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/03/01/a-exposicao-de-ratas-gravidas-ao-bisfenol-abpa-indica-que-a-contaminacao-pode-afetar-a-saude-da-prole-do-sexo-feminino/]
  2. No estudo [Maternal Bisphenol A Exposure Promotes the Development of Experimental Asthma in Mouse Pups], pesquisadores expuseram ratas prenhas ao BPA, em dosagens proporcionais a uma mulher grávida, ao longo da gestação e do período de amamentação, identificando que a exposição aumentou o risco do desenvolvimento de asma. A pesquisa foi publicada na edição de fevereiro da revista Environmental Health Perspectives. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/02/05/pesquisa-sugere-que-exposicao-de-gestantes-ao-bisfenol-abpa-aumenta-o-risco-de-asma-nas-criancas-por-henrique-cortez/ ]
  3. Pesquisadores da Universidade de Exeter e Peninsula Medical School descobriram mais evidências de uma ligação entre a exposição ao bisfenol-A(BPA) e doença cardiovascular.

A pesquisa [Association of Urinary Bisphenol A Concentration with Heart Disease: Evidence from NHANES 2003/06] avaliou dados do estudo populacional NHANES 2005-2006, relativo aos EUA e seus resultados foram publicados pela revista online, PlosOne. [in http://www.ecodebate.com.br/2010/01/19/estudo-confirma-ligacao-do-bisfenol-abpa-a-doencas-cardiovasculares-em-adultos-por-henrique-cortez/ ]

  1. De acordo com reportagem [BPA in the womb shows link to kids’ behavior] de Janet Raloff, na edição online do Science News, de 06/10/2009, as meninas que tiveram exposição pré-natal ao bisfenol-A (BPA), no início da gravidez, mostraram-se mais agressivas que os meninos, além de índices maiores de ansiedade. De acordo com o Science News, esta é a primeira pesquisa a associar a exposição a um contaminante ambiental aos problemas de comportamento diferenciado por gênero. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/10/09/exposicao-pre-natal-ao-bisfenol-abpa-e-relacionada-a-efeitos-comportamentais-adversos-nas-criancas-por-henrique-cortez/ ]
  2. Em um estudo [Use of Polycarbonate Bottles and Urinary Bisphenol A Concentrations] da Harvard School of Public Health (HSPH) pesquisadores descobriram que os participantes que, ao longo de uma semana, beberam em garrafas de policarbonato , comumente usado garrafas plásticas e mamadeiras, apresentaram um aumento de dois terços da substância química bisfenol-A (BPA) na urina . [in http://www.ecodebate.com.br/2009/05/25/estudo-confirma-a-contaminacao-por-bisfenol-a-bpa-a-partir-de-garrafas-plasticas/ ]
  3. Pesquisadores da Yale School of Medicine comprovaram que o bisfenol-A (BPA) pode afetar primatas, tendo observado que ele produziu danos neurológicos em macacos. É a primeira evidência de que o BPA pode afetar a saúde de primatas e, por consequência, também os humanos.

A pesquisa foi publicada na edição online da PNAS, Proceedings of the National Academy of Sciences. O estudo “Bisphenol A prevents the synaptogenic response to estradiol in hippocampus and prefrontal cortex of ovariectomized nonhuman primates“, publicado na revista online PNAS, 10.1073/pnas.0806139105, está disponível para acesso integral no formato HTML. Para acessar o estudo clique aqui. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/03/19/pesquisa-relaciona-o-bisfenol-a-bpa-a-danos-neurologicos/ ]

  1. estudo [State of the Evidence The Connection Between Breast Cancer and the Environment] sugere que produtos químicos encontrados em praticamente tudo, de pesticidas aos plásticos para produtos de higiene pessoal, ‘imitam’ ou alteram o hormônio estrógeno. Dentre estes produtos químicos destacam-se os controversos ftalatos e o bisfenol-A (BPA).

Os pesquisadores analisaram 400 estudos epidemiológicos e experimentais. De acordo com a pesquisa, a exposição a substâncias químicas comuns encontradas em garrafas plásticas de água, mamadeiras e embalagens de alimentos podem ser ligados ao desenvolvimento de câncer de mama, ao longo da expectativa de vida. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/02/20/nova-pesquisa-reafirma-a-relacao-entre-exposicao-quimica-e-cancer-de-mama/ ]

  1. Uma nova pesquisa, [Oral Exposure to Bisphenol A Increases Dimethylbenzanthracene-Induced Mammary Cancer in Rats] realizada na Universidade do Alabama em Birmingham, agrega novas informações e preocupações sobre o aditivo plástico bisfenol-A, BPA , comumente usado em produtos de consumo, inclusive mamadeiras, garrafas de água e revestimentos de latas.

O Dr. Coral Lamartiniere, descacado toxicologista e cientista sênior no Comprehensive Cancer Center, da UAB, concluiu que os baixos níveis de bisfenol-A, BPA, administrado via oral em roedores, causou tumores e alterações genéticas compatíveis com fases iniciais de câncer. [in http://www.ecodebate.com.br/2009/01/13/nova-pesquisa-reafirma-os-riscos-do-bisfenol-a-bpa-para-o-desenvolvimento-de-cancer-por-henrique-cortez/ ]

  1. Frederick vom Saal, pesquisador da Divisão de Ciências Biológicas, da University of Missouri-Columbia, ao avaliar que o Canadá estuda proibir a utilização do BPA em produtos infantis, afirma que isto é um grande passo, mas não é o suficiente, porque o seu uso deve ser proibido integralmente. O Bisfenol A é, reconhecidamente, um disruptor do sistema hormonal e , em cobaias animai, já foi relacionado com o aumento do risco de desenvolvimento de câncer. Dados do Centers for Disease Control and Prevention mais de 90% dos norte-americano, com mais de 6 anos de idade, possuem algum grau de presença do BPA no organismo.

Vom Saal detaca que numerosos estudos com animais relacionam o BPA com disfunções sexuais, redução na contagem de esperma, feminização de macho e câncer de próstata. Ele afiram, ainda, que na pesquisa com animai não foram identificados níveis seguros de exposição ao Bifenol ª [in http://www.ecodebate.com.br/2008/09/20/pesquisador-afirma-que-nao-existem-niveis-seguros-de-exposicao-ao-bisfenol-a-bpa/ ]

  1. Garrafas de plástico, quando aquecidas com água fervente, liberam químicos tóxicos bisfenol A (BPA), a uma taxa 55 vezes superior do que quando preenchidas com água temperatura em ambiente. É o que afirma um estudo realizado por pesquisadores da University of Cincinnati College of Medicine e publicado na revista Toxicology Letters.
  2. Pesquisa publicada na revista Journal of the American Medical Association, JAMA, afirma que o BPA, utilizado em plásticos de garrafas e mamadeiras, está associado ao aumento dos casos de diabetes e problemas cardíacos. Pesquisadores da Exeter University, demonstraram que pessoas com altos níveis de BPA no organismo possuem alta probabilidade de desenvolver algumas doenças.

A pesquisa foi realizada utilizando dados dos EUA, coletados no National Health and Nutrition Examination Survey 2003-2004, com 1.455 adultos entre 18 e 74 anos. A concentração de BPA foi coletada em exames de urina.

Os cientistas identificaram que as pessoas com problemas cardiovasculares e diabetes possuíam maiores concentrações de Bisfenol A em suas urinas.

Para acessarem a íntegra do estudo “Association of Urinary Bisphenol A Concentration With Medical Disorders and Laboratory Abnormalities in Adults”, publicado no JAMA Vol. 300, No. 11, September 17, 2008, cliquem aqui.

Para acessarem o editorial do JAMA, na mesma edição, “Bisphenol A and Risk of Metabolic Disorders” cliquem aqui.

Há, portanto, informações e pesquisas mais do que suficientes para documentar os riscos do bisfenol-A (BPA) à saúde.

Os casos aqui relatados mostram que apenas a Abiquim convenientemente desconhece estes estudos.

Em nenhuma hipótese é aceitável que os interesses corporativos e o lucro possam significar quaisquer riscos à saúde

O MPF/SP está absolutamente correto e, quem sabe assim, a Anvisa, finalmente, proíba esta ‘bomba’ química em nosso país, apesar dos poderosos interesses aos quais a Abiquim representa.

Por Henrique Cortez, para o EcoDebate, 23/07/2010.

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: